Translate

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Mission R - a moto elétrica mais avançada do mundo.

Por Waldyr Costa
Imagens divulgação.
Mission Motorcyles, nascendo como "gente grande".

Apesar das motos elétricas ainda estarem dando seus primeiros passos, a concorrência pela melhor da categoria é bem disputada. Uma marca que se destacou muito em 2013, tanto pelo design quanto pelos números de desempenho, foi a Mission Motorcycles. Com autonomia superior a 200km na estrada, máxima de 240km/h e aceleração de 0-100km/h em 3s, a "R" conseguiu chegar no patamar das 600cc esportivas de motor a gasolina.


Mission R, a evolução das pistas nas ruas.

A Mission Motorcycles declara a Mission R como a mais avançada moto elétrica em produção no planeta. Com design esportivo refinado, números de respeito e sendo a evolução da moto de competição que bateu vários recordes em 2013, a R é uma superbike de rua que coloca as motos elétricas em pé de guerra com as esportivas tradicionais com motor à explosão. É uma moto de construção e montagem artesanais. É mais uma marca norteamericana a se destacar no rumo sem voltas das motos do século 21: propulsão elétrica. Sua rivalidade "em casa" é com a Zero e a Bremmo. O coração da Mission R é um motor elétrico de 160cv, com o exclusivo "trem de força" da marca, o InfiniteDrive™, que oferece níveis de controle e performance superior a tudo o que há em produção no momento (janeiro 2014). Ela é a nova referência em motos esportivas elétricas. 

Muita força e nível torque impressionante. Sem falar no belíssimo design.
Esta moto põe um novo marco na história das motor elétricas.
Com 16,6 kgfm em qualquer faixa de rotação, ela deixa qualquer outra concorente para trás.

Sem ter pistões, virabrequim, válvulas, embreagem e outras partes mecânicas que influenciam no comportamento dinâmico, pricipalmente em alta velocidade, as motos elétricas têm uma dinâmica diferenciada nas motos tradicionais, maior controle e manobrabilidade, deixando o piloto mais envolvido com a ciclística da moto e passando a sensação maior simbiose entre homem e máquina. Com a ausência de todas aquelas partes mecânicas de um motor à combustão, as motos elétricas, além de silenciosas e suaves, têm melhor equilíbrio dinâmico, consequentemente são mais estáveis nas curvas. Permitem alto grau de inclinação por ter o motor mais estreito e não ter escapamento. E ainda, o motor  da Mission R tem apenas um décimo do tamanho de um motor a combustão equivalente.

O magnífico motor com InfiniteDrive™e tração direta, sem marchas: 160cv.

Junte a isso a inexistência de vibração e o torque de 16,6 kgfm desde zero rpm até o limite de rotação, de forma plana e fluida: você não vai nem se importar que a velocidade máxima dela seja "só" 240km/h. Ela vai ser praticamente imbatível nas estradas e ruas justamente pelas retomadas e acelerações absurdas que só um motor elétrico pode oferecer. Para se ter uma idéia, a Suzuki Hayabusa e a Kawasaki Z1400, que são as motos mais potentes e velozes da atualidade, com motores de 1.340cc e 1441cc, têm menos de16 kgfm de torque respectivamente, e ainda é em uma faixa de rotação muito estreita, entre 7.000 e 8.000 rpm, fora dessa faixa o torque cai muito. 

O lado esquerdo do motor

Num motor elétrico, quando você gira os primeiros milímetros do punho direito, lá estão os 16,6 kgfm de torque, já no primeiro giro do motor, e permanece constante até ele atingir o limite de rotação, que está em 6.400rpm. A força é sempre a mesma. Só muda a energia - potência - que depende de rotação. Como ele só chega a 6.400rpm, a potência é mais limitada. Como se 160cv fosse pouco. Se esse motor girasse às 13.000 rpm, como uma super esportiva consegue fazer, teríamos, no mínimo, 240cv de potência. Mas isso custaria um consumo muito alto de energia e não é necessário, já que a moto não foi feita para as pistas de corrida e sim para as ruas e estradas. A performance é realmente fantástica. Mais impressionante ainda é que, se você usar a moto em baixa velocidade e "pirangando" o acelerador, em uso urbano, a autonomia pode chegar a impressionantes 370km, na versão com a bateria de 17kW, segundo a fabricante. As outras opçoes de bateria são 12kW e 15kW.

O motor é parte integrante do quadro estruturalmente e absorve os esforços mecânicos.

O quadro da Mission R foi desenhado pelo conhecido James Parker e desenvolvido para permitir excelente controle e sensibilidade na pilotagem, além de permitir incrível estabilidade em reta. Segundo a Mission, ele é melhor que qualquer outro em sua categoria. Com o DNA da Mission RS, que foi desenvolvida para as competições, a Mission R recebeu todos os benefícios tecnológicos, e também muito do que se desenvolveu com o aprendizado e a consequente evolução com versões mais elaboradas e eficientes, tanto elétrica quanto mecanicamente. Os freios dianteiros são os excelentes Brembo M430 com sistema de controle regenerativo totalmente ajustável, racing type, com discos dupos de 320mm e pinças de quatro pistões, contrapostos 2 a 2. As suspensões são Öhlins, com garfos invertidos de 43mm na frente e mono amortecedor traseiro, também racing type. As rodas são da "grife"Marchesini, projetadas para eliminar o máximo de peso e forças inerciais, oferecendo estabilidade extra nas curvas e retas. Nelas estão montados pneus Dunlop de 120mm e 190mm.

Além de fazer tudo o que os mais modernos painéis eletrônicos fazem, este ainda tem opções de telemetria,
integração com equipamentos eletrônicos, sistema de navegação, touch screen e integração com o smartphones.

O plataforma do "sistema operacional" é o MissionOS™, conta um painel de moderno display, que entrega um imenso leque de opções e compatibilidades; integração com o celular; alta resolução; tela sensível ao toque; suporta GPS integrado; bluetooth; suporta integração de câmera HD com estabilização de imagem e HUD (head up display). Integração opcional para sistemas de navegação, intercomunicadores, controles, modo de pista e dados de telemetria. Além de oferecer atualização automática gratuita por internet sem fio. O nível de integração e opções informatizadas realmente estão num paratar sem precedentes para uma moto de produção.

Apenas 5 anos separaram os primeiros esboços no computador desta versão de "carne e osso".

A Mission Motorcycles nasceu da Mission Motors, que fabrica inversores elétricos, acumuladores de energia, motores de tração e recarregadores de energia, entre outros, para as indústrias de máquinas pesadas, automotivas, náuticas, motociclísticas e esportivas. No desejo de criar um novo projeto que revolucionesse as motocicletas elétricas, em apenas 5 anos de pesquisa e desenvolvimento eles chegaram à Mission R, que é derivada da Mission RS, que foi desenvolvida nas pistas. Eles têm planos para até os próximos 4 anos, e prometem que este é apenas o promeiro passo que deram nesse mercado.

Mission R, missão cumprida.

Um comentário:

  1. to sonhando com uma motocicleta assim ou igual a essa!!!!
    Eu quero uma!!!!

    ResponderExcluir

ATENÇÃO: seu comentário passará pelo moderador antes de ser publicado, então não será publicado imediatamente. Procure escrever em bom Português e não utilize linguagem ofensiva. Se comentar como anônimo, informe seu nome. Comentários desrespeitosos, ofensivos e com linguagem imprópria serão excluídos.