Translate

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Triumph Tiger Sport 2015 no Brasil: a road adventure de 1050cc custa R$ 46 mil.

Por Waldyr Costa
Imagens divulgação

A Tiger Sport, com motor de três cilindros em linha e 1050cc, é a mais nova e mais estradeira versão da linha.

A Triumph do Brasil inicia a venda da Tiger Sport neste mês de setembro e está chegando nas concessionárias da marca por R$ 45.990,00. A Sport é a terceira derivação da Tiger e tem motor tricilíndrico paralelo de 1.050cc. Ela foi lançada em fevereiro de 2013 e fica justamente a meio caminho, em motorização, em relação às outras duas opções com motorizações de 800cc e 1.215cc. Hoje linha Tiger tem as versões 800, 800XC, Explorer (1.215cc), Explorer XC (1.215cc) além da Sport (1.050cc). Essa linha de motos no estilo aventura já corresponde a mais da metade das vendas da Triumph do Brasil. É uma linha extremamente versátil para aqueles que gostam de viajar mundo a fora. Ela oferece robustez, força, potência, economia e design diferenciado, com destaque para o desempenho “on road” (na estrada, ou melhor, no asfalto).



As características ciclísticas e o motor da Tiger Sport a tornam uma das melhores opções para as aventuras no asfalto.

A linha Tiger é o braço forte da Triumph no Brasil, sua motorização e ciclística estão no topo da classificação do campeonato de "quem fabrica a melhor road adventure no mundo?". Suas principais concorrentes são motos de marcas como BMW e KTM. Porém, as características exclusivas dos seus tricilíndricos, com ampla faixa de torque “gorducho” e baixo consumo de combustível, a diferencia das demais. Para a Tiger Sport, que conta com o excelente motor de 1.050cc da Street Triple, o mais forte oponente atualmente é o quatro cilindros em linha da Kawasaki Versys 1000.

A Triumph Tiger Sport está mais para supermotard do que para adventure.

A versatilidade da Tiger Sport supera as suas irmãs na hora de fazer uso diário. Especialmente para aquele que não quer, ou não pode, ter uma moto para cada tipo de uso, a Sport é uma daquelas motos topa-tudo, seja para ir trabalhar, ir à faculdade, fazer uns passeios noturnos, dar umas descarregadas de adrenalina no final de semana ou fazer longas viagens nas férias. De leveza e agilidade superior em relação às outras versões, ela se adapta melhor às condições urbanas e rodoviárias. As intervenções feitas nesta versão a tornaram apta para uso exclusivamente no asfalto. Na verdade a Triumph Sport é mais uma supermotard que uma adventure, o que a torna ainda mais divertida para usar nas estradas infestadas de deliciosas curvas.

Na versão Sport, a balança monobraço, o assento mais baixo e novos faróis dão mais versatilidade à esta Tiger.

A Tiger vem evoluindo ao longo dos anos. Desde seu nascimento, em 2007, quando usou o motor "mil" que também equipava a Speed Triple e a Sprint, ela foi se firmando como uma moto pra todo tipo de piso, versátil e capaz de realizar todas as tarefas que um piloto comum exige de uma moto. A última versão da Tiger, a Sport, além de trazer de volta o motor "milzão", vem buscar o lado mais esportivo e agressivo deste modelo, explorando a capacidade de supermoto (supermotard) que esta versão oferece. Com potência máxima de 125cv e torque máximo de 11kgfm, o motor de 1.050cc não tem "baixas" na evolução das rotações. Está sempre cheio e com torque muito bem distribuído, inclusive a sua boa fama é justamente por isso.

A chegada da Tiger Sport demorou dois anos e meio, mas agora a Tiger "motard" está nas lojas para roubar sua atenção.

O comportamento do motor é fluido e suave, o câmbio tem escalonamento de marchas elogiável, o sistema de escape foi projetado para produzir um som mais agradável e foi dimensionado para ajudar a aproveitar a potência através do fluxo de gases otimizado. O quadro foi cuidadosamente desenhado e exaustivamente testado até atingir o nível de precisão e neutralidade desejado nas curvas para entregar melhor sensação de segurança ao piloto. A balança traseira monobraço permitiu que o escape fosse mais esbelto e mais “embutido” na traseira, deixando mais espaço para o posicionamento das malas laterais para viagens. A Triumph tem uma linha completa de acessórios para as motos, contando inclusive com suportes de alumínio polido que não deixam a moto deselegante quando está sem as malas. 

Aí está o motor de 1.050cc que equipa a Tiger Sport. Basta dizer que é o motor da Speed Triple.

O sistema de freios conta com ABS e pinças de encaixe radial. Ela vem montada de série com os ótimos pneus Pirelli Angel GT. A semi-carenagem é bastante efetiva na proteção contra o vento e pouca turbulência é percebida. Ela também vem com protetor de cárter/motor contra os pedriscos. O jogo de faróis tem quatro fachos do tipo refletor, que proporcionam maior alcance em relação ao faróis do tipo projetor, além de ter a vantagem de pesar menos. O assento é bem acabado, tem costura vermelha, é estreito o suficiente para facilitar o piloto a alcançar os dois pés no chão, há espaço sob o banco para guardar uma trava de roda do tipo “U” e uma roupa de chuva. Enfim, tudo muito bem pensado para que o feliz proprietário da Tiger Sport nunca tenha do que reclamar.


Informações Técnicas

MOTOR
1.050cc, 4 tempos, 3 cilindros paralelos
Refrigeração líquida
12 válvulas (4 por cilindro) com duplo comando no cabeçote
Injeção eletrônica sequencial multiponto
Coletores de escape de aço inox tipo 3 em 1 e silenciador de aço inox escovado
Potência máxima de 125cv @ 9.400rpm
Torque máximo de 10,5kgfm @ 4.300rpm

TRANSMISSÃO
Câmbio de 6 velocidades
Embreagem multidisco em banho de óleo
Transmissão final por corrente com retentores tipo X
3,5 litros de óleo lubrificante para transmissão e motor

CICLÍSTICA
Quadro dupla viga de alumínio
Balança traseira monobraço de alumínio com ajuste excêntrico da corrente
Rodas 17” de alumínio multi raios com largura de 3,5” na frente e 5,5” na traseira
Pneus 120/70 ZR 17 e 180/55 ZR 17
Suspensão dianteira invertida Showa com diâmetro 43mm
e 140mm de curso, ajuste de pré-carga, retorno e compressão
Suspensão traseira Showa monoamortecida com 155mm de curso
e ajuste na pré-carga da mola e retorno
Freios dianteiros com discos duplos flutuantes de 320mm
e cáliper radial Nissin de 2x2 pistões com ABS desativável
Freio traseiro com disco simples de 255mm
e cáliper Nissin 2x0 com ABS desativável
Painel de Instrumentos LCD multifuncional com velocímetro digital,
computador de bordo, tacômetro (conta-giro) analógico, relógio,
marcador de combustível, autonomia restante, luzes de alerta,
botão seletor no guidom, monitor de pressão dos pneus (opcional).

DIMENSÕES
Comprimento: 2.150mm
Largura: 835mm
Altura sem os espelhos: 1.310mm
Altura do assento: 830mm
Entre-eixos: 1.540mm
Cáster e Trail: 22.8º e 89.7mm
Tanque de combustível: 20 litros
Peso abastecida: 235kg

CONSUMO DE COMBUSTÍVEL
Perímetro urbano: 15 km/L
Estrada a 90km/h: 23,5 km/L
Estrada a 120km/h: 19,5 km/L

4 comentários:

  1. Tenho uma Tiger Sport e a moto realmente é sensacional, motor potente ótima ciclística. Uso diariamente como meio de condução mas já fiz viagens longas também. Realmente é uma moto versátil. Porém.... Chamar de econômica não dá, na cidade uma média boa é de 12 km/l, na estrada nunca fiz mais que 15km/l. Outro pecado é a falta de eletrônicos, ela não tem acelerador eletrônico, controle de tração é muito menos modos de pilotagem. Alguns itens como termômetro e indicador da marcha no painel é uma tomada 12v também viriam à calhar.
    Espero que sejam informações úteis

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por compartilhar sua experiência com todos, Luiz. Se sua moto ainda é muito nova o consumo vai melhora um pouco. Trânsito pesado influencia muito negativamente no consumo. Por exemplo: Trafegando entre 120 e 140km/h, em viagens, já consegui médias mínimas de 15,5km/L e máximas de 19,5km/L, com a mesma moto/carga, apenas variando o tipo de rodovia e o fluxo de trânsito. Boa sorte e pilote consciente.

      Excluir
  2. Comprei a moto em dezembro de 2015, estou ha um mês com ela,
    para que tenha referencia estou saindo de uma Versys 650 Tourer 2012 com ABS, a
    moto é satisfatória para mim tinha uma postura do corpo um pouco esportiva
    demais para mim, o que resolvi com a instalação de um adaptador de guidão que o
    elevou em 50 mm, sai de uma 650 com 62cv e fui para uma 1050cc 125cv, somente
    com ABS e sem controle de tração, uma coisa digo, não é para novatos ou quem
    não controla a empolgação, pois ela responde mesmo, principalmente nas saídas o
    que pode levar ao desequilíbrio da moto, quanto ao consumo rodo 50% cidade e
    50% estrada, até menos ágil que a Versys, ja imaginava pois o entre eixos é
    maior em 150mm, mas ainda assim satisfatório. Quanto ao consumo até a primeira
    revisão estava fazendo 16,5 km/litro, depois disso nesse trajeto, lembrando que
    minha mão normalmente não é pesada, controlando no tanque e não no computador
    da moto, faço 18 a 18,5 km/l, com a Versys eu fazia 20,5 km/l, o engate das
    marchas é mais preciso e leve que da Versys, mas nas primeiras marchas
    barulhentas, a corrente bate em trechos esburacados e baixa velocidade, faróis
    são uma ignorância, iluminam muito bem, há o tanque falam que tem 20 litros,
    quando acende o sinal da reserva vou encher que não cabe mais que 13 litros, ai
    resolvi ir até o ultimo ignorando os alertas e ainda assim ao encher o tanque
    consegui colocar somente 16 litros até o bocal, assim me da uma autonomia de
    menos de 300 km, na Versys cabiam 19 litros e rodava perto dos 400 km, o seguro
    pela mesma companhia e mesmo perfil paguei 30% menos que o da Versys. Outra
    paulada na minha opinião é a primeira revisão com 800 km ao custo de R$ 500,00
    para trocar o óleo , filtro e arruela do bujão. No mais o acabamento é bem
    feito, a moto é robusta. se calor nas pernas te incomodam...considere que
    esquenta bastante, não sei dizer se é muito pois o meu referencia é a ER6n e
    Versys, estamos em dias quentes, pois alto verão em Sampa, acho que no frio as
    pernas estão bem aquecidas, rs. Gente não sou técnicos ou experiente em
    motocicletas, somente amo andar de moto e escrevo aqui pois procurei muito
    informações sobre a moto e não encontrei quase nada. Mas posso dizer que não me
    arrependi, fui para comprar outra Versys, mas o preço me jogou para a Tiger que
    ficou quase na mesma saindo de uma 650cc 62cv para uma 1050cc 125cv. a Tiger é
    muito melhor em aspecto de vibração, a tri cilíndrica não vibra nada. Em
    relação ao banco, ambas são confortáveis um pouco melhor para a Tiger, pois é
    mais alta no cavalo, perto do tanque e no acabamento, pois é muito bonito.
    Espero que possa ter ajudado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente relato, Eduardo. Muito obrigado por ter participado e parabéns pela bela máquina. Quando quiser relatar mais alguma coisa, o espaço é todo seu, fique à vontade. Boa sorte e pilote consciente.

      Excluir

ATENÇÃO: seu comentário passará pelo moderador antes de ser publicado, então não será publicado imediatamente. Procure escrever em bom Português e não utilize linguagem ofensiva. Se comentar como anônimo, informe seu nome. Comentários desrespeitosos, ofensivos e com linguagem imprópria serão excluídos.