Translate

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

APRILIA RS4 125 REPLICA 2015: esportiva nos mínimos detalhes

Por Waldyr Costa
Imagens divulgação

É uma pena a Aprilia ainda não ter voltado ao mercado brasileiro. Os produtos são excelentes.


A Aprilia criou a versão especial RS4 125cc “réplica” (em italiano, Replica é sem acento) das motos do mundial de superbikes. É uma fiel reprodução das máquinas que Marco Melandri e Sylvain Guintoli usam no World Superbike Championship. A RSV4 1.000cc ganhou 5 dos 8 títulos mundiais disputados nos últimos 4 anos. Não só uma homenagem à campeoníssima, mas também uma instigação para os jovens pilotos que podem ter a sua réplica de 125cc logo nos primeiros anos de sua vida motociclística e sonhar como já sonharam os grandes campeões de hoje. A estréia desta série aconteceu no salão de Colônia, na Alemanha, o Intermot 2014.


A moto tem um pacote digno de supersport, porém os dados de desempenho, como a potência, não foram divulgados.

A Aprilia já coleciona 52 títulos mundiais e centenas de corridas vitoriosas. Por lá já passaram pilotos do quilate de Max Biaggi, Valentino Rossi, Loris Capirossi, Marco Melandri, Caser Stoner e Jorge Lorenzo. A história vencedora da Aprilia começa nas categorias de base, de baixa cilindrada, onde suas motos estão entre as mais desejadas pela garotada. As máquinas de competição têm denominação começada por RS, sendo a RS 125cc 2T (dois tempos) a mais notável representante da marca, tendo vendido mais de 100.000 unidades em mais de 30 países mundo afora nos últimos 20 anos, só para competição, especialmente na Europa. Em 2011 a Aprilia apresentou o novo modelo RS4 de 50cc e 125cc “de rua”, baseadas nos modelos esportivos de competição RSV4, que logo se tornou a moto mais vendida entre os jovens.

Os gráficos são belíssimos e o refinamento tecnológico foi levado ao extremo.

As versões Aprilia RS4 Replica, utilizam motores de 50 e 125cc, são avançadas no conceito de tecnologia esportiva, têm grande refinamento mecânico e estilístico, com soluções de engenharia também utilizadas nas RSV4. A RS4 125 mais parece um clone da RSV4. Os detalhes são denunciantes, como o conjunto de faróis, a carenagem e os gráficos. A lanterna traseira é de Leds, parte do assento pode ser coberto com uma capa rígida opcional que está integrada ao desenho da moto para deixá-la mais estilo competição. O quadro e o motor também se tornam elementos estilísticos nesta pequena superesportiva. Especialmente quando exibe o seu sofisticado escape embutido sob a carenagem inferior do motor, tornando-o oculto.

Esta é a RSV4 1000 que inspirou a RS4 125. Se você olhar rápido, e não observar as rodas, pode se enganar.

Os chassis da Aprilia são reconhecidamente de excelência e o quadro das duas RS4 Replica leva isso muito a sério: são feitos com estrutura de liga leve de alumínio com reforços de vigas cruzadas no lado interno, dando leveza e rigidez torcional. Isto resulta em melhor controle e precisão, especialmente pela ajuda do excepcional conjunto de suspensão dianteira, com bengalas de 41mm do tipo upside down (invertidas) com curso de 110mm e que exibem um belíssimo acabamento anodizado na cor preta. Na traseira o amortecedor é fixado direto na balança, sem links. Os freios também são absurdos, um discão de 300mm com pinça radial de 4 pistões segura tudo na frente, enquanto na traseira o disco de 218mm é mais que suficiente com sua pinça de pistom simples. As rodas de liga-leve são de 17 polegadas com seis raios, calçadas com pneus 100/80 na frente e 130/70 na traseira.

Freios com pinças de montagem radial, pistões quádruplos e disco inox de 300mm, as mangueiras são tipo aeroquip.

Os quadros das RS4 Replica recebem dois motores: o de 50cc é 2T, desenvolvido pela própria Aprilia, tem refrigaração líquida, indução controlada por palhetas, sistema de lubrificação e mistura separados e câmbio de seis velocidades; já a 125cc é um 4T com refrigeração líquida, quatro válvulas no cilindro, gerenciamento eletrônico do sistema de duplo comando de abertura de válvulas que garante não só a máxima potência permitida para a categoria, como também uma entrega de potência suave e linear. O propulsor também está de acordo com as mais exigentes normas de regulação de emissões em vigor. A Aprilia ainda disponibiliza, opcionalmente, um sistema de troca rápida de marchas (Aprilia Quick Shift System), que permite mudar para uma marcha superior sem desacelerar e nem usar a embreagem.

Faróis similares ao da RSV4 1000

Ficha técnica de RS4 125cc

Motor: 124,8cc 
Ciclo: 4T
Disposição: monocilindro
Refrigeração: líquida
Alimentação: injeção eletrônica
Válvulas: 4 com  duplo comando no cabeçote
Diâmetro e curso: 58 x 47 mm
Compressão: 12,5:1 (±0,5)
Ignição: eletrônica com capacitor de discarga indutiva (CDI)
Partida: elétrica
Lubrificação: cárter úmido
Câmbio: 6 marchas
Relação primária: engrenagens, 69/29
Relação final: corrente, 60/13
Embreagem: múltiplos discos em banho de óleo

A balança traseira assimétrica é o item mais simples da RS4 125. Mesmo assim o acabamento é cuidadoso

Quadro: tipo perimetral de alumínio
Suspensão dianteira: bengalas 41mm upside down com curso de 110mm
Suspensão traseira: balança assimétrica monoshock com 130mm de curso
Freio dianteiro: disco inox de 300mm com cáliper radial de 4 pistões
Freio traseiro: disco inox de 218mm com cáliper de um pistom de 30mm
Rodas: liga-leve de 6 raios para pneus radiais 2,75x17” e 3,5x17”
Pneus: 110/80-17 e 130/70-17

Suspensões de moto grande. Veja as mangueiras com malha de aço, tipo aeroquip, que chegam nos freios.

Comprimento: 1.953mm
Largura: 740mm
Altura: 1.138mm, sem retrovisores
Assento: 820mm
Entre-eixos: 1.350mm
Tanque: 14,5L (incluindo os 3,5 litros da reserva) 
Emissões: compatível com Euro 3

Tanque de 14,5 litros é mais que suficiente para uma 125cc que tem baixo consumo de combustível.

4 comentários:

  1. Só a título de curiosidade: Qual é a potência em cv desta 125 !? Pena que nunca poderemos ter a chance de ter uma destas disponível no Brasil !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São "apenas" 15cv, que é o limite de potência permitido. Muitos países europeus têm sérias restrições às potências das motos para jovens e iniciantes. Potência determina, teoricamente, a velocidade máxima. O mais importante é a distribuição de torque do motor, que faz muito mais diferença. Esta moto não é um protótipo para competição, é uma moto de rua normal.

      Excluir

ATENÇÃO: seu comentário passará pelo moderador antes de ser publicado, então não será publicado imediatamente. Procure escrever em bom Português e não utilize linguagem ofensiva. Se comentar como anônimo, informe seu nome. Comentários desrespeitosos, ofensivos e com linguagem imprópria serão excluídos.