Translate

domingo, 27 de setembro de 2015

KTM 390 e 200 Duke: rede de lojas Dafra iniciam vendas.

PRESS RELEASE OFICIAL - DAFRA MOTOS


11 concessionárias DAFRA já estão operando com a marca KTM na comercialização das motocicletas 200 Duke e 390 Duke ABS, bem como a linha de roupas e acessórios exclusivos para esses produtos e também o atendimento pós-venda.



Localizadas nas cidades de São Paulo, Campinas, Santo André e Santos (SP), Belo Horizonte (MG), Florianópolis (SC), Brasília (DF), Cabo Frio, Duque de Caxias e Niterói (RJ), e Maringá (PR), a nova rede dual brand DAFRA KTM ganhará novas revendas até o início de 2016. 


“Além das lojas já em funcionamento com as duas marcas, estamos em fase avançada de preparativos para outras 11 concessionárias que entrarão em operação até o 1º trimestre do próximo ano. Com isso chegaremos a 22 concessionárias dual brand DAFRA KTM, além das cinco atuais Flagship”, explica José Ricardo Siqueira, gerente de marcas da DAFRA Motos.


Para que o consumidor pudesse ter uma experiência completa da marca KTM nas novas lojas, a Kiska – agência também responsável pelo desenvolvimento das motocicletas da marca – criou o conceito de um espaço exclusivo para a exposição das motos, roupas e acessórios. 


“Esse formato, em que duas marcas dividem o mesmo espaço, é uma novidade do Brasil, mas algo já consolidado na Europa. Acreditamos que as duas linhas de produtos se complementam, pois atendem a diferentes perfis de consumidores e isso permite que nosso concessionário tenha resultados ainda melhores”, finaliza.


Além disso, as dual brand oferecem a possibilidade dos consumidores realizarem test ride com ambas motocicletas.

Clique para nas fotos ou nos links abaixo para ler as matérias já publicadas sobre estas duas motos:

http://jornaldomotociclista.blogspot.com.br/2014/06/ktm-200-duke-e-pra-incomodar-mesmo.html




http://jornaldomotociclista.blogspot.com.br/2014/01/ktm-390-duke-uma-arma-da-ktm-para.html



3 comentários:

  1. Olá, Waldyr.
    Me interessei muito quando fiquei sabendo do retorno da KTM ao Brasil.
    Já fui na concessionária conhecer melhor a Duke 200, meu sonho de consumo!
    Conversei com um amigo,corretor de seguros, e ele somente achou em uma seguradora e no valor de 4 mil reais.
    Você acha válido realizar seguro em moto?
    Eu considero necessário, em virutde do país que vivemos. Mas ter uma moto de 16 mil e pagar 4 mil de seguro, já desanima bastante!
    Qual a sua opinião?
    Obrigado pela atenção e parabéns pelo site.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.

      O que você deveria considerar para saber se vale a pena fazer seguro?

      1) A KTM 200 Duke não é uma moto visada para assaltos pois ainda é um veículo muito recente - por este item, pode descartar o seguro.
      2) Na sua região tem assaltantes/criminosos que gostam de esnobar com veículos roubados e depois descartam (incendeiam, abandonam, etc)? Se sim, é altamente recomendado ter seguro, o risco de uma moto atraente é grande nesses casos.
      3) Você vai circular por áreas onde há grande risco de acidentes/roubos? Se sim, faça seguro.
      4) O valor estipulado do seguro (que fez orçamento) está de acordo com o tipo de veículo? Pelo orçamento que postou aqui, não.
      5) Seu tipo de pilotagem é de risco (agressiva, irresponsável, imprudente, inconsequente)? Se for, faça seguro.
      6) O fator sorte/azar é imprevisível, um acidente pode acontecer com qualquer um e a qualquer hora. Você quer correr o risco?

      O que pesa no preço do seguro de moto?
      Se é "visada", tipo (esportiva, trail, custom), motor (cilindrada), potência do motor, preço de peças de reposição, valor comercial do veículo, idade do piloto, tipo de uso que fará do veículo, se tem outros usuários jovens, se tem alarme, localizador remoto, garagem em casa/trabalho/escola e tipos cobertura para terceiros/veículo reserva e outros acessórios de seguro.

      A moto não é "visada" (-) baixo risco
      Moto de uso urbano (teórico) (+) alto risco
      Moto de baixa cilindrada (+) alto risco
      Potência do motor (-) baixo risco
      Preço de peças (+) alto custo proporcional
      Valor comercial (-) baixo custo, porém alto para a categoria
      Idade do piloto: abaixo de 20 anos = altíssimo risco; 20/30 anos = alto risco; 30/40a = médio; acima de 40a = baixo (a grosso modo)
      Ambiente de relacionamento: quanto mais jovens tiver na família e amigos que possam usar o veículo, mais o custo aumenta
      Se tiver garagem em casa/trabalho/escola, alarme etc, isso diminui o risco.

      Os custos de um seguro de moto variam de baixíssimos 3% do valor do veículo por ano até absurdos 38% deste valor.
      Dois exemplos como referência:
      Uma moto custom, com piloto acima dos 45 anos, casado, com filhos adultos casados e que só use a moto em viagens ocasionais (3% a 5%)
      Uma moto esportiva de 1.000cc, muito visada, com piloto de 18 anos, com irmãos abaixo de 20 anos, sem garagem etc (acima de 36%).

      R$ 4 mil Reais são 25% do valor da moto.
      Em quatro anos pagando seguro você já pagou outra moto.
      Você quer correr o risco?

      É importante você pesquisar, porque se a pessoa que estiver fazendo a apólice do seguro não conhecer nem entender de motos, seu custo vai lá pra cima. Não acho que um seguro para esta moto (200 Duke), feito de forma justa, deva superar os 15%.

      Não posso decidir por você, mas lhe dei alguns motivos para que possa ter uma idéia e lhe ajudar a escolher entre fazer ou não.

      Boa sorte e pilote consciente.

      Excluir
  2. Obrigado, Waldyr.
    Me ajudou a esclarecer as ideias!
    Continuarei a acompanhar a sua página.

    ResponderExcluir

ATENÇÃO: seu comentário passará pelo moderador antes de ser publicado, então não será publicado imediatamente. Procure escrever em bom Português e não utilize linguagem ofensiva. Se comentar como anônimo, informe seu nome. Comentários desrespeitosos, ofensivos e com linguagem imprópria serão excluídos.